Unção dos Enfermos 01 - VivaJesusBr

A Trindade Santa e a Família Sagrada nos amam!
Estamos a 16 anos evangelizando! Obrigado! Janeiro mês do nosso aniversário!
Iniciado em: 15/01/2002
Neste endereço (domínio): 14/01/2006
Em 2018, novo visual!
Ir para o conteúdo
Sacramentos > Reflexão
UNÇÃO DOS ENFERMOS 10 - NOVO
Por: Vivaldo Armelin Júnior - Out/16

• Jesus durante sua passagem e convívio direto com os seres humanos protagonizou em diversos momentos a ação de dar bênção aos enfermos, cegos, surdos, paralíticos, entre outras situações.
• A Unção dos Enfermos praticada por Jesus é continuada pelos Apóstolos, depois, pelos padres, bispos e papas.
• Os evangelistas registraram na Sagrada Escritura, Novo Testamento, vários momentos desta ação realizada por Jesus Cristo e por eles próprios.
• Podemos concluir com toda certeza que a Unção dos Enfermos não é o momento final, mas sim o recomeço, a cura física e espiritual, no amor da Santíssima Trindade, portanto no amor de Deus, mas também da Sagrada Família.
• O importante é confiar, crer e ter fé em Deus!

UNÇÂO DOS ENFERMOS 01
Por: Vivaldo Armelin Júnior


  • Este é mais um dos Sacramentos de Deus e hoje estamos dando início aos textos explicativos e reflexivos sobre o Sacramento Unção dos Enfermos ou Extrema-Unção ou Santa Unção. Sacramento que teve seu primeiro registro no século IX. Essa surge orientando-se nas Escrituras e nas Bênçãos que eram realizadas ao ungir um fiel doente física e ou espiritualmente.

  • Mas antes leia as duas passagem da Bíblia, Novo Testamento, para que possamos dar início a nosso texto.

________________________________________

Mc 6,13
13 Então expulsaram muitos demônios, e ungiam com óleo muitos enfermos e os curavam.

Tg 5,14-16
14 Alguém de vós está doente? Chame os anciãos da igreja, e estes orem sobre ele, ungindo-o com óleo em nome do Senhor; 15 e a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados. 16 Confessai, portanto, os vossos pecados uns aos outros, e orai uns pelos outros, para serdes curados.
A súplica de um justo pode muito na sua atuação.
________________________________________

  • A Unção dos Enfermos, como conhecemos nos nossos dias, nem sempre foi considerado um Sacramento e esse reconhecimento ocorreu apenas no século XVI, durante o Concílio de Trento, realizado na cidade de Trento, Itália, entre 1545 e 1563 e presidido pelo Papa Pio IV.

  • As Bênçãos são da época de Jesus e foram praticadas pelos Apóstolos, como vimos nesses dois textos de São Marcos e São Tiago, respectivamente. Anos depois leigos e os primeiros religiosos faziam a Bênção com o uso de Óleo Abençoado ou Bento seguindo as orientações dos Apóstolos de Jesus.

  • As bênçãos eram destinadas na maioria das vezes aos enfermos, moribundos, endemoniados, possessos etc. Mesmo nos nossos dias a bênção pode ser realizada por um leigo, basta ter um recipiente com óleo bento por um Bispo. A bênção é realizada umedecendo o dedão direito e feito o Nome do Pai sobre a testa do enfermo ou necessitado. Esse ato permitirá a "purificação" do corpo e da alma, curando os males físicos e espirituais. No entanto o ungido poderá ou não receber uma graça como é o seu desejo, mas com certeza estará protegido e amparado por Deus, Jesus, São José e Nossa Senhora.

  • O óleo usado é o mesmo utilizado para o preparo dos alimentos, ou seja, pode ser óleo comum (soja, arroz, girassol, milho etc.) ou azeite de oliva.

  • Como já foi descrito, o óleo bento poderá ser ungido por um leigo ou por um religioso a um enfermo ou a si próprio.

  • Por sua vez o Sacramento Unção dos Enfermos é de responsabilidade dos religiosos ou religiosas, mas  na sua ausência, em casos de risco de vida, um leigo poderá fazê-lo.


  • Para que possamos reconhecer com clareza as diferenças e semelhanças entre a Bênção e a Unção dos Enfermos, será preciso entender e conhecer a origem de ambas, como já foi parcialmente descrito.

  • Nos duas ações, Bênção e Unção dos Enfermos, o fiel necessitado será ungido por óleo abençoado por um Bispo. São muitos os relatos de pessoas curados após receber a Bênção ou a Unção dos Enfermos.

  • É preciso reforçar que o óleo só poderá ser abençoado ou bento por um Bispo. Nenhum fiel leigo poderá fazê-lo, bem como um diácono, noviço, noviça etc.

UNÇÂO DOS ENFERMOS 02
Por: Vivaldo Armelin Júnior - Jul/14


• Em vários momentos de sua História a Igreja Católica Apostólica Romana, a única criada por Jesus e que teve como primeiro Papa São Pedro, também indicado por Jesus, confirmou a veracidade do Sacramento "Extrema-Unção", hoje "Unção dos Enfermos", pois ele vem das Sagradas Escrituras e quem o fez primeiro foi o próprio Jesus.
• A "Extrema-Unção" era dada na maioria das vezes aos enfermos em estado crítico, com risco de morrer, pois era uma maneira de prepara-lo para a vida eterna.
• Em muitas situações o enfermo (doente, acidentado, ferido etc.) se recuperava de maneira inexplicável para a medicina, o famoso milagre.
• Os familiares de épocas passadas não se preocupavam apenas com a saúde física de seus familiares ou entes queridos, mas também com a saúde espiritual.
• Hoje em dia o tratamento já não é o mesmo, existe grande preocupação com a saúde física e se deixou de lado a saúde espiritual.
• Muitos hospitais, a contragosto, permitem que padres visitem os doentes e lhes dê a Unção dos Enfermos. Esta visa a recuperação física e espiritual do paciente, porém essa visita ocorre porque o religioso ou religiosa peregrina pelos leitos dos hospitais, raramente é dada por convite dos familiares.
• Muitos dos familiares de um enfermo, nos nossos dias, acham bobagem dar-se a "Unção dos Enfermos", por essa razão nem se lembram dela.

UNÇÂO DOS ENFERMOS 03
Por: Vivaldo Armelin Júnior - Nov/14


• No mês de novembro, o mês dedicado aos santos e às almas disponibilizaremos uma série de textos reflexivos sobre o Sacramento Unção dos Enfermos.
• É muito comum as pessoas terem um entendimento enganoso sobre o verdadeiro sentido do Sacramento Unção dos Enfermos.
• Comumente associado à dor, sofrimento, tristeza e a morte.
• Jesus Cristo passou pelo sofrimento, sentiu dor e padeceu para que se cumprisse a paixão e a salvação do ser humano.
• A Unção dos Enfermos tem uma outra finalidade, a cura e a salvação daquele ou daquela que está enfermo, acidentado ou doente.
• Também um ato de perdão dos pecados por um religioso.
• O sofrimento e a dor são inerentes à vida, principalmente em nossa sociedade ocidental.
• Ele demonstra a nossa fraqueza, limitação física e até espirituais.

UNÇÂO DOS ENFERMOS 04
Por: Vivaldo Armelin Júnior - Nov/14


• Aquele ou aquela que recebe o Sacramento da Unção dos Enfermos está sendo colocado nas mãos de Deus e Ele, de acordo com seus planos, poderá ou não curar a doença física, mas com certeza estará curando todo mal espiritual.
• Então você pode estar se perguntando, então Deus gosta de nos ver sofrer?
• Não! Deus não gosta de nos ver sofrendo. No entanto, muitas pessoas só chegaram a Ele pelo sofrimento.
• Diferentemente de outras que se aproximaram da fé e do amor de Deus desde a infância por orientação familiar, pois, “não precisaram ver para crer”.
• Chegar a Deus é fácil e existem diversas maneiras, porém o ser humano é livre para escolher o seu “caminho”, não o seu futuro, este pertence a Deus.

UNÇÂO DOS ENFERMOS 05
Por: Vivaldo Armelin Júnior - Nov/14


• Muitos doentes, enfermos e feridos diante da dor e do sofrimento culpam a Deus pelas situação que estão passando.
• É muito comum surgir a revolta, o medo, a angústia e até o desespero.
• Em muitas situações é colocada em dúvida a existência de Deus por parte destes seres humanos.
• É óbvio que nessa revolta tem uma pitada da maldade do indesejado, esse ser repugnante que sempre quer infernizar a vida do ser humano.
• Deus não quer o mal, mas sim nos conduzir à salvação. Por essa razão Jesus Cristo instituiu a Unção dos Enfermos.

UNÇÂO DOS ENFERMOS 06
Por: Vivaldo Armelin Júnior - Nov/14


• Não há idade para que um ser humano passe pela dor e o sofrimento, tudo é parte de nossa vida.
• Por outro lado, Deus não nos quer ver como robozinhos guiados por controle remoto, por essa razão deu-nos o livre arbítrio.
• Cada um de nós tem a opção de decidir como enfrentar a dor e o sofrimento. Ambos são bem variados, pois podem vir em razão de uma doença, um acidente, o desemprego, outras enfermidades, o falecimento de um ente querido...
• Ele, Deus, nos ensina, guia e nos orienta até a barreira do livre arbítrio. Como é nossa a decisão pelo caminho a seguir, a dor e o sofrimento poderão ser maiores dependendo de nossas vontades.
• No entanto, se nos guiarmos pela Unção dos Enfermos, é possível amenizar esta dor. Jesus nos ensinou este Sacramento para mostrar que Deus não se esquece de seus filhos amados.

UNÇÂO DOS ENFERMOS 07
Por: Vivaldo Armelin Júnior - Abr/15


• Para o povo de Israel todo mal, doenças e enfermidades, estão relacionados ao pecado. Esta definição tem base no Antigo Testamento.
• Portanto, para obter a cura seria necessária a conversão e então conseguir o perdão de Deus. Nada de errado quanto a essa questão, porem vejamos a posição de Jesus.
• Jesus, um judeu seguidor do Antigo Testamento, em muitos momentos de curas, milagres, expulsão de seres malignos, disse: — “Seus pecados estão perdoados...”
• Por que agia assim? O amor de Jesus ao ser humano é o mesmo que o de Deus, portanto provinha do amor do Pai, Deus e Espírito Santo.
• Desta maneira Ele curava o corpo e a alma.
• Jesus deixava bem claro que Deus estava visitando e adentrando o corpo do(a) enfermo(a) ou doente com seu amor e dedicação de Pai. Assim ocorria a cura, um grande mistério para nós humanos porque não conseguimos explica-los.
• Nesses momentos explicava que se os seres humanos o amassem e o seguissem, também estariam amando e seguindo o Pai do Céu, que pela ação do Espírito Santo agia sobre cada um deles.
• A Unção dos Enfermos nos transferem ao mundo da Santíssima Trindade, pois nos aproximam Deles. Ela não é um Sacramento de despedida para aquele ou aquela que está morrendo, mas um pedido a Santíssima Trindade, nosso único Deus, sua ação para que cure aquele que está à beira da morte ou o leve sem dor e protegido pelo Seu perdão.
• Um momento de fé, oração e intensão em favor do próximo, mesmo quando não estiver consciente.
• Essa Bênção, que é o Sacramento da Unção dos Enfermos, ocorre mesmo quando o enfermo ou enferma ou acidentado ou acidentada esteja desacordado ou desacordada, inconscientes. O valor é o mesmo e em nada difere quando o enfermo está consciente.

UNÇÂO DOS ENFERMOS 08 - NOVO
Por: Vivaldo Armelin Júnior - Nov/15


• A Unção dos Enfermos traz Jesus para próximo àquele ou aquela que tem alguma enfermidade ou sofreu algum tipo de acidente.
• Jesus não está apenas ali para acompanhar o paciente. Na verdade Ele está presente e atuante, curando, fazendo milagres e também perdoando pecados.
• Jesus na Unção dos Enfermos vem para amparar e conduzir, alma e corpo, seja para a vida terrena ou para a vida no céu.
• Jesus tem amor e compaixão, Ele é Pai e sempre está ao lado de seus filhos.
• Crer em Deus Pai, Filho e Espírito Santo é parte do Sacramento da Unção dos Enfermos, porém Deus, nas três pessoas, não desampara nem mesmo os ateus e perseguidores de sua Igreja. Deus está ao lado de todos.

UNÇÃO DOS ENFERMOS 09
Por: Vivaldo Armelin Júnior - Nov/15
• Jesus durante sua vida terrena dirigiu sua atenção aos enfermos e com amor os curaram. Uma cura não apenas física, mas também espiritual.
• Uma frase marcou esse ato de amor: — “...a tua fé te salvou.” A nossa falta de fé muitas vezes não nos leva à cura.
• A Unção dos Enfermos é dada àqueles e aquelas que estão inconscientes, sedados e até em coma, porém a fé do sacerdote é dirigida a eles. É importante destacar que Jesus Cristo também em vida terrena determinou aos Apóstolos, por consequência aos sacerdotes: — “Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra terá sido ligado nos céus, e tudo o que desligardes na terra terá sido desligado nos céus” (Mt 18.18). Essa determinação é seguida rigidamente pela Santa Igreja e não importa se aquele ou aquela que recebe esse sacramento é cristão, ateu, muçulmano, judeu, budista etc.

• Deus Pai, Deus Filho e o Espírito Santo não faz distinção, pois amam a todos nós, mas dão atenção especial a todos que precisam de sua ajuda, como os enfermos, acidentados...

Voltar para o conteúdo