U-V-W-X-Y-Z - VivaJesusBr

A Trindade Santa e a Família Sagrada nos amam!
Estamos a 16 anos evangelizando! Obrigado! Janeiro mês do nosso aniversário!
Iniciado em: 15/01/2002
Neste endereço (domínio): 14/01/2006
Em 2018, novo visual!
Ir para o conteúdo
Beatos & Santos > Santas > U-V-W-X-Y-Z

SANTAS

  1. • Ubaldesca Taccini (?, ? - ?, ?) - Virgem - 28/05
  2. • Úlfia (?, ? - ?, ?) - Virgem - 31/01
  3. • Ulpia (?, ? - ?, ?) - Mártir - 23/09
  4. • Ursa (?, ? - ?, ?) - Virgem e mártir - 26/10
  5. • Úrsula (362, Inglaterra - 383, Alemanha) - Mártir juntamente com onze Companheiras - 21/10 Nasceu na Inglaterra, no ano de 362. Era filha do Rei da Cornúbia, na Inglaterra. Cresceu recebendo os preceitos Bíblicos e Católicos. Era uma jovem muito bonita e que passou a ser cobiçada para casamento. Como acontecia na época seus pais acertaram seu casamento com o duque Conanus, pois haviam grandes interesses políticos. Acontece que este era pagão e Úrsula recusou a escolha do pai, mas como devia obediência a este acabou aceitando, mas fez um exigência, que o casamento acontecesse apenas três anos depois. Condição aceita pelo pai e o duque. Durante este período rezava muito para que o duque desistisse da aliança. Como acertado a jovem e mais onze damas de honra, todas virgens e que se casariam com pessoas escolhidas pelo duque. Embarcaram em dois navios rumo a Alemanha, destino a cidade de Colônia. Porém a Alemanha estava sob o domínio do exército de Átila, o famoso rei dos unos. Quando chegaram a cidade o navio foi atacado e todos mortos menos Úrsula, pois Átila vendo a beleza da jovem a desejou para si. Foram várias tentativas de sedução, desde as mais sutis até as baseadas em ameaças. Tentou então propor-lhe casamento, também recusado pela jovem que afirmou que já era casada e que seu marido era o mais forte e poderoso dos reis e se chamava Jesus Cristo. Enfurecido ele atacou a jovem com sua espada a degolando. Faleceu em Colônia, na Alemanha, martirizada, degolada por Átila, no dia 21 de outubro de 383. Seu corpo e de todas as damas permaneceram na Alemanha e estão sepultados numa Igreja, em Colônia.
  6. • Úrsula Ledochowska (1865, Áustria - 1939, Itália) - 29/05 Nasceu na Áustria, em 17 de abril de 1865. Seus pais eram nobres poloneses, mas residiam na Áustria. Completou seu estudos naquele país. Seu nome de Batismo era Júlia Ledochowska. Quando sua família retorna para a Polônia vão morar na Croácia e foi lá que aos 21 anos de idade decide ingressar na vida religiosa. O Convento das Irmãs Ursulinas de Cracóvia foi o escolhido e tomando o hábito muda o seu nome para Úrsula, em 1899. Fundou o pensionato feminino para jovens para que estes pudessem receber boa educação e Úrsula, uma exímia educadora era incansável em sua missão. Apresenta às jovens a Associação das Filhas de Maria. É eleita superiora do Convento, função que ocupou durante quatro anos. Em certa data é convidada pelo pároco da Igreja de Santa Catarina, em Petersburgo, na Rússia e lá envolver-se em uma luta árdua e complexa. Naquela época aquele país estava em plena perseguição aos cultos r4eligiosos, pois estes estavam proibidos. Úrsula teria a função de dirigir um internato para jovens polonesas exiladas. Como toda atividade religiosa, mesmo as assistenciais eram alvo de repressão, Úrsula teve que trabalhar com trajes civis, por questões de segurança. Em 1909, vai para a Finlândia, local onde fundou mais uma Casa das Irmãs Ursulinas, mas neste país ela renovou, pois a escola era ao ar livre para jovens doentes. Nesta mesma época funda em Petersburgo uma Casa das Irmãs Ursulinas, apesar da perseguição. Passa a ser perseguida pela polícia russa, durante a Primeira Grande Guerra Mundial, em 1914, por ter documentos da Áustria, país que apoiava os alemães. Ela então se refugia na Suécia, onde teve tempo para fundar um pensionato e uma escola. Mas não era apenas pensionatos e escolas que teve a oportunidade de fundar, na Suécia, fundou para os Cristãos Católicos o jornal "Solglimstar", editado até os nossos dias, mas agora sob outra direção. Em 1917, com a missão de assistir aos poloneses perseguidos, foi para a Dinamarca e durante dois anos prestou assistência a aqueles refugiados da guerra. Em 1919 retorna para seu Convento, na Polônia, mas não para se fixar e terminar os seus dias. Era uma pessoa incansável, pois desiste de sua Congregação para fundar outra, era 1920, quando fundou a Congregação das Irmãs Ursulinas do Sagrado Coração Agonizante. Esta tinha como missão cuidar dos jovens abandonados, dos velhos, crianças, dos pobres e desvalidos. Em 1930 a Ordem é aprovada pelo Vaticano. Estas se espalharam pela Europa e mais tarde pelo mundo. Foi uma grande escritora e suas obras, toda em polonês, traduzidas mais tarde para o francês e italiano, eram lidas por muitos religiosos e leigos. Decide ir para Roma para uma Casa da Ordem fundada por ela. Faleceu em Roma, Itália, no dia 29 de maio de 1939. Foi sepultada naquele Convento de sua Ordem. Foi Beatificada e Canonizada pelo Papa João Paulo II, no ano de 1983. Foi Canonizada pelo Papa João Paulo II, no ano de 2003.
  7. • Ursulina (?, ? - ?, ?) - 07/04

  1. • Valburga (710, Inglaterra - 779, Inglaterra) - Virgem e abadessa - 25/02 Nasceu em Wessex, na Inglaterra, no ano de 710. Era filha do rei Ricardo e irmã de Vinibaldo e Vilibaldo, ambos santos e pode estudar em uma ótima escola no Mosteiro de Wimborne, em Wessex, na Inglaterra. Formada é formada e torna-se uma monja. Viaja para a Alemanha com o grupo de São Bonifácio de Crediton, e vai para um mosteiro, onde mais tarde é eleita abadessa deste Mosteiro Feminino de Heidenheim, na Alemanha, fundado pelo seu irmão São Viliboldo. Trabalhou muito pela evangelização, escrevendo e amparando os necessitados, além do belíssimo trabalho com as monjas sob seus cuidados. Faleceu Mosteiro Feminino de Heidenheim, na Alemanha, no ano de 779.
  2. • Valdetrudes, Viúva (?, ?Bélgica - 688, Bélgica) - 09/04 Nasceu na Bélgica, em data não identificada por nós. Ainda jovem casou-se e teve vários filhos. Era uma mulher dedicada à família e principalmente a Deus, a ponto de todos seus filhos terem se tornados Santos. Era irmã de Aldegundes (Santa). Após educar seus filhos entrou em acordo com seu marido, quando se separaram. Ele ingressou numa abadia e se tornou religioso e ela construiu um Mosteiro feminino. Pouco tempo depois foi eleita superiora. Faleceu naquele Mosteiro, na Bélgica, no ano 688.
  3. • Valentina (?, ? - ?, ?) - 15/07
  4. • Valentina (?, ? - ?, ?) - Mártir juntamente com a Santa Teia * e São Paulo - 25/07
  5. • Valéria (?, ? - ?, ?) - Mártir juntamente com o São Vital* - 28/04  
  6. • Valéria (?, ? - ?, ?) - Mártir juntamente com seus companheiros - 05/06
  7. • Valeriana (?, ? - ?, ?) - Mártir juntamente com seus companheiros - 17/06
  8. • Veneranda (?, ? - ?, ?) - Mártir - 14/11
  9. • Verburga (?, ? - ?, ?) - Virgem - 03/02
  10. • Veridiana (1178/82, Itália - 1242, Itália) - Reclusa - 01/02 Nasceu em Florença, Itália, em 1178/82. Ainda bem jovem define a sua meta de vida, dedicar-se a Deus. Mais tarde, para cumprir os seus votos realiza uma peregrinação para Santiago de Compostela, na Espanha e depois até Roma. Quando retorna à Toscana dedica-se a uma vida de interna, vivendo enclausurada e sua cela, no convento é o seu mundo. Durante 34 anos, enclausurada, fez diversas penitências. O pretígio de Veridiana era tão grande que foi visitada pelo Frei Francisco de Assis. Faleceu na Itália, em 1242.
  11. • Verena (?, ? - ?, ?) - Virgem - 01/09
  12. • Verônica (?, ? - ?, ?) - 13/01
  13. • Verônica (?, ? - ?, ?) - 12/07
  14. • Verônica de Binasco (?, ? - ?, ?) - 14/01
  15. • Verônica Giuliani (1660, Itália - 1727, Itália) - Monja, mística, virgem e estigmatizada - 09/07 Nasceu em Mercatello, próximo de Urbino, na Itália, em 27 de dezembro 1660. Quando criança já demonstrava a vocação para a vida religiosa voltada a Nosso Senhor Jesus Cristo. Aos 17 anos ingressa no Convento das Irmãs Clarissas. Por orientação de seu confessor ela passou a escrever um diário contando todas as suas experiências como as chagas de nosso senhor Jesus Cristo. Viveu em reclusão total durante mais de 30 anos, todos relatados em seus diários, que passavam de mais de 40 volumes. No Convento foi cozinheira, padeira, faxineira, enfermeira, mestra de noviças e abadessa. Faleceu na Itália, numa Sexta-feira Santa após um ataque epilético, no dia 06 de junho de 1727.
  16. • Vibeta (?, ? - ?, ?) - Virgem juntamente com as Santas Vorberta e Eimberta - 16/09
  17. • Viborada (?, ? - ?, ?) - Virgem e mártir - 02/05
  18. • Vicência Gerosa (?, ? - ?, ?) - Virgem e fundadora - 28/06
  19. • Vicenta Lopes e Vicunha (1847, Espanha - 1890, ?) - Virgem e fundadora - 26/12 Nasceu em Cascante, Navarra, Espanha, no ano de 1847. Fundou a casa das Religiosas de Maria Imaculada, no ano de 1867, estas casas se espalharam pela Espanha. Dedicou-se aos pobres, necessitados, fracos e doentes. Faleceu na Espanha, no ano de 1890. Foi Canonizada pelo Papa Paulo VI, em data não identificada por nós.
  20. • Viltrudes (?, ? - ?, ?) - Viúva - 06/01
  21. • Vinfreda (?, ? - ?, ?) - Virgem e mártir - 03/11
  22. • Virgínia Centurione Bracelli (?, ? - ?, ?) - Viúva e fundadora - 15/12
  23. • Vitburga (?, ? - ?, ?) - Virgem - 08/07
  24. • Vitória (?, ? - ?, ?) - Mártir juntamente com Santo Aciclo  - 17/11
  25. • Vitória (?, ? - 250, Roma) - Virgem mártir juntamente com as Santas Anatólia* e Audax - 10/07 Nasceu em local e data não identificado por nós. A história dessa Santa é pouco conhecida. Sabe-se que era irmã de Vitória e talvez amiga de Audax. As irmãs haviam sido prometidas a não Cristãos, fato que as fizeram recusar o casamento. Segundo a Tradição os dois pretendentes para se vingar as denunciaram e o imperador Decius as condenou à morte. Faleceu em Roma, martirizada, ano 250.
  26. • Vitória Fornari (?, ? - ?, ?) - 12/09
  27. • Vivina (?, ? - ?, ?) - Virgem e abadessa - 17/12
  28. • Vorberta (?, ? - ?, ?) - Virgem juntamente com as Santas Eimberta e Vibeta - 16/09

  1. • Zedislava (?, ? - ?, ?) - Mãe de família - 01/01
  2. • Zenaide (?, ? - ?, ?) - ??/??
  3. • Zita (1218, Itália - 1278, Itália) - Virgem - 27/04  Nasceu em Monsagrati, povoado próximo a Luca, na Itália, no ano 1218. Originária de uma família muito pobre, com muitos filhos, por isso, ainda bem pequena, com doze anos, é colocada para trabalhar na casa de uma família nobre e rica da região de Luca. Trabalhou para esta família entre 30 a 40 anos (esta informação é controversa nos vários textos pesquisados), como criada ou empregada doméstica. No acordo dos pais com a família ficou acertado que ela não teria um salário, porém lhe dariam a alimentação, roupas e até um pequeno dote para que pudesse arranjar um bom casamento, mas nada garantia esta última possibilidade. Estas famílias ricas o faziam com a intenção de "ajudar", mas na realidade seu objetivo era ter uma mão de obra barata e presa à família. A família a que foi prestar serviços tinha a fama de não tratar bem seus criados, menosprezando-os, exigindo o trabalho por tempo integral, não importando a hora, fatos que lhe causaram muito sofrimento, principalmente nos primeiros anos de convívio. Literalmente ela, Zita era explorada, pois era ofendida, desrespeitada , maltratada e humilhada não apenas pelos patrões, mas também pelas demais criados. Apesar de todo sofrimento, Zita sempre acreditou em sua Fé, por esta razão orava muito e praticava muita caridade, apesar de não ter nada. Com o passar do tempo seus patrões viram uma grande administradora, honesta e justa, por esta razão, ainda bastante jovem passou a comandar os empregados e administrar a casa e a ganhar um salário. Estas virtudes conquistaram a confiança dos patrões, mas também a inveja de colegas de trabalho. Zita havia provocado até mesmo a mudança parcial no comportamento da família em relação aos criados. Numa certa data uma outra empregada, com a intenção de prejudicar Zita e possivelmente assumir seu cargo, a acusa de roubar alimento da despensa da família para doar aos pobres. Acontece que a moça não conseguiu provar a sua acusação contra Zita. Zita passou a ser vigiada e num certo dia ela é flagrada carregando por baixo de seu avental alguma coisa, quando, seu patrão, o patriarca da família, lhe indaga o que lavava sob o avental. Zita imediatamente responde que eram flores, então o patrão manda que ela mostre, de imediato ela abre o avental e cai dele uma grande quantidades de flores. O patrão surpreso, pois também duvidava de Zita, nada pode fazer. Não se sabe exatamente se Zita realmente doava bens da despensa da família aos pobres, mas é certo que nada foi provado contra a sua pessoa. Zita continuou a ajudar aos pobres e doentes com a parte de seu salário que sobrava. Todos da região a admirava e muitos se espelhavam nas suas ações. Não se sabe se ela trabalhou para os mesmos patrões até o fim de sua vida, como dissemos no início há muita controvérsia sobre o tempo de trabalho naquela casa. Faleceu na Itália, no dia 27 de  abril de 1278, aos 60 anos. Não sabemos se ainda morava com a família para quem trabalhava, pois consta que ela trabalhou para a família em alguns relatos 30 anos e outros chegam aos 40 anos, e se este relatos forem verdadeiros ela provavelmente deixou o trabalho ou até mesmo a família quando tinha no máximo 52 anos (12 + 40). Uma possibilidade é que ela tenha ficado doente e a família a mantinha em agradecimento aos seus serviços, acontecimento este que também era comum na época. Zita foi enterrada na Basílica de São Frediano, em Luca. O local era visitado por muitos fieis que acreditavam em sua Santidade. Mas a maior surpresa veio em 1652, quando decidiram exumar seus restos mortais e descobriram um corpo intácto. A partir desta época ele passou a ser exposto aos visitantes. Muitos eram os milagres atribuídos a Zita, ainda não reconhecida como Santa e muitos deles comprovados por autoridades locais. Foi Canonizada pelo Papa Inocêncio XII, no dia 05 de setembro de 1696. Foi proclamada Padroeira das Domésticas pelo Papa Pio XII.

Voltar para o conteúdo