N. Sra. do Bom Par/N. Sra. do Lor - VivaJesusBr

A Trindade Santa e a Família Sagrada nos amam!
Estamos a 16 anos evangelizando! Obrigado! Janeiro mês do nosso aniversário!
Iniciado em: 15/01/2002
Neste endereço (domínio): 14/01/2006
Em 2018, novo visual!
Ir para o conteúdo
Família Sagrada > Denominações N.Sra. > Denominações

  1. • N. Sra. do Bom Parto: Surgiu em Portugal e na França a muito tempo. A mesma que N. Sra. D'Arcachon. Peregrinação: 25 de março e 18 de dezembro.  
  2. N. Sra. do Bom Socorro: Rouen, França. Comemoração: ?.
  3. N. Sra. do Bom Sucesso: Nossa Sra. apareceu em Quito, Equador, no ano n1594 para Mariana de Jesus Torres. Surge entre os séculos XV e XVI e está associada às conquistas humanas na vida pelo trabalho. Lisboa, Portugal. Comemoração: 15 de setembro.
  4. N. Sra. do Brasil: Em 1829, Frades Capuchinhos enviam uma imagem de Nossa senhora à cidade de Nápolis, Itália e que foi colocada na Igreja de Santo Efrém. Ocorreu que um grande incêndio destruiu a Igreja por completo, mas a imagem de madeira não foi tocada pelo fogo. A partir daquela data teve início a uma grande devoção e peregrinos vindos de toda parte passaram a venerar Nossa senhora. No Brasil a devoção a esta denominação só chegou muito tempo depois. Comemoração: 22 de fevereiro.
  5. N. Sra. do Cabo: A devoção tem início no século XV em Portugal. Conta a história que dois idosos, moradores em cidades diferentes e que não se conheciam, tiveram o mesmo sonho e que nele era indicado o local onde se encontrava uma imagem de Nossa Senhora. Os dois partiram para o Cabo Espichel, Portugal, onde encontraram a imagem. Este local já era um conhecido espaço de peregrinação e a partir daquela data houve um grande aumento de peregrinos. Portugal. Comemoração: ?.
  6. N. Sra. do Calvário: Esta devoção tem origem durante a passagem de Jesus como homem. Maria, Sua Mãe tinha por hábito acompanhá-lo durante suas pregações e por fim durante o caminho para o calvário. Uma Mãe que sofreu e chorou muito pelo Seu Filho, mas que sempre teve retidão e aceitação aos destinos determinados pelo Pai do Céu. Maria chorou aos pés da Cruz, por essa razão é que a Mãe do Céu é invocada com essa denominação, ou seja, pelos instantes de sofrimento, angústia, desespero etc. Comemoração: ?.  
  7. N. Sra. do Caminho: A devoção começou com um dos grandes devotos de Nossa Senhora, o Santo Inácio de Loyola, também fundador da Ordem Religiosa Companhia de Jesus. Nossa Senhora do Caminho foi entronada na primeira Igreja construída pelos jesuítas em Roma, na Itália. Esta Igreja tem grande procura, ainda hoje, por peregrinos, viajantes, e todos aqueles que desejam uma pequena, mas significativa atenção da Mãe. Comemoração: ?.  
  8. N. Sra. do Capítulo: Alenquer, Portugal. Comemoração: ?.
  9. N. Sra. do Carinho: A mesma denominação para N. Sra. Glykofilusa, vide.
  10. N. Sra. do Carmo: Conta a história que durante o século XII, foram retirados do Monte Carmelo, na Palestina, um grupo de eremitas, fato que provocou o surgimento da Ordem Contemplativa Carmelita sob a proteção de Nossa Senhora. Tempos depois, em 1251, na Inglaterra, na época da grande perseguição muçulmana, os Frades Carmelitas pedem a Santa Mãe a sua proteção e o Frade Simão Stock, primeiro superior da Ordem solicita à Mãe um sinal de sua proteção. A Mãe do Céu e da Terra de imediato respondeu e entregou nas mãos do Frade um Escapulário com a promessa de salvação a todos que o utilizassem e em seguida disse: — "Eis aqui um sinal de minha aliança". Comemoração: 16 de julho.
  11. N. Sra. do Carmo da Légua: Conta a história que em 1606 uma imagem de Nossa Senhora do Carmo é enviada ao Peru. Foi o comerciante Domingos Gomes da Silva quem fez a solicitação do envio após sobreviver a um naufrágio. Ocorreu que ao chegar ao Peru, mais precisamente ao Porto de Callao, a imagem que teria como destino a capital Lima, que era transportada por uma mula, teve interrompida a viagem, pois o animal empacou bem próximo ao lugarejo de La Légua. O comerciante entendendo que aquela situação na realidade era um sinal do Céu e da Santa Mãe. De imediato determinou a construção de uma Capela em homenagem a Nossa Senhora do Carmo. Após a construção da Capela foi iniciada a procissão que conduz a imagem até o Porto de Callao, culminando com uma grande novena. Comemoração: 07 de outubro.
  12. N. Sra. do Carmo de Maipu: Chegou ao Chile, em 1785 a primeira imagem de Nossa Senhora do Carmo, trazida por Dom Martin de Lecuna. Mais tarde, durante a guerra da independência, a Santa é invocada como padroeira dos exércitos e protetora durante as batalhas. Quando a independência foi conquistada o exército e a população construiu uma Igreja em homenagem a Santa Mãe, em Maipu, Chile. As obras foram concluídas em 1892. A Igreja, no início do século XX proclamou a Santa a padroeira do Chile. Comemoração: 16 de julho
  13. N. Sra. do Carvalho:  Conta a história e a tradição  que James Buret, quando caminhava por um bosque, em Vion, França, ao passar ao lado de um carvalho com uma cavidade, enquanto cuidava de um rebanho, notou a presença de uma imagem. Aproximou da árvore e pegou na cavidade a imagem de Nossa Senhora. A notícia se espalhou como fogo e logo depois já era frequentado por muitos romeiros e fiéis. Em razão da grande movimentação foi construída uma capela no local. Entre 1869 e 1876 foi construído o Santuário. Este foi elevado a condição de Basílica no final do século XX. A mesma que N. Sra. dos Banhos.  Também em Perúgia, Itália. Bar-sur-Seine, França. Comemoração: 08 de setembro.
  14. • N. Sra. do Cenáculo: Ainda não temos informações.
  15. N. Sra. do Coração de Ouro: A devoção a esta denominação surge no início do século XX, mais precisamente em 1932 quando a Mãe apareceu 33 vezes no povoado Beauraing, na Bélgica. Mais uma vez os videntes foram crianças, cinco no total. A primeira visão ocorreu quando as crianças estavam retornando a seus lares após o término das aulas. A Santa Virgem se identificou como "Mãe de Deus, Rainha do Céu" e trazia como marca um "coração de ouro". No dia 08 de dezembro de 1932 apareceu vestida com roupas brancas, uma coroa na cabeça. A Virgem nas suas trinta e três aparições pedia por orações, pela conversão e peregrinação ao local. A mesma denominação que N. Sra. de Beauraing. Comemoração: 08 de dezembro.
  16. N. Sra. do Cordão: A tradição nos conta que tudo começou no século XI, na cidade de Valenciennes, na França, estava com com um sério problema por uma epidemia da peste. Nossa Senhora apareceu para um eremita. Este orava muito para que Deus por intercessão da Santa Mãe acabasse com a peste. A Santa Mãe solicitou que toda a população da cidade fizesse oração e jejuasse. O povo doente e são passaram a fazê-los e no dia 08 de setembro Nossa senhora reapareceu, agora para toda a população e os orientou para que colocassem um cordão em torno da cidade para isolá-la da peste. Com uma procissão o cordão foi colocado. Daquele momento em diante ninguém contraiu a peste e os doentes se curaram. Tradicionalmente, até hoje, é feita uma procissão nessa data seguindo o mesmo caminho. Comemoração: 08 de setembro.
  17. N. Sra. do Coromoto: Conta a história e a tradição que na Venezuela, na aldeia indígena de Coromoto, em 1651, Nossa Senhora apareceu a seu chefe e lhe fez um convite muito simples, Batizar a tribo. O chefe atendendo ao pedido promoveu o Batizado de cerca de 700 índios. Numa outra data, após todos serem Batizados, a Virgem Mãe do Céu, novamente apareceu, mas desta vez para toda a tribo e manifestou sua alegria por ter o seu convite atendido e cumprido. Para a surpresa de todos foi encontrado na cabana do chefe uma pedra gravada com o símbolo de Nossa Senhora. Então foi construído uma Capela e nela colocada a pedra. Comemoração: 02 de fevereiro, 08 e 11 de setembro.   
  18. N. Sra. do Desterro: Esta devoção é uma das mais antigas dedicadas à Nossa Senhora, pois ela está associada à fuga da Família Sagrada para o Egito. A fuga ocorreu após o anjo do Senhor avisar José em sonho sobre a intenção de Herodes matar Jesus. (Mt 2,13-22). No Brasil a devoção chega com os portugueses e rapidamente se espalha. É a padroeira dos imigrantes, emigrantes e de todos que por algum motivo tiveram que abandonar sua terra natal para viver em outra região ou país. Comemoração: 17 de fevereiro.
  19. N. Sra. do Divino Amor: Esta devoção começou a quinze quilômetros de Roma. Um peregrino quando retornava a Roma foi cercado por cães extremamente raivosos e ameaçando atacá-lo. Olhando para o alto viu sobre a torre de um castelo a imagem da Santa. Esta carregava em seu colo o Menino Jesus. Logo após uma pomba pousa sobre os ombros da Virgem. É nesse momento que pede ajuda. Prontamente é atendido e os cães se acalmam e vão embora. O homem agradeceu à Mãe do Céu e seguiu viagem. Em Roma contou entusiasmado o que lhe tinha acontecido. A notícia se espalhou e em pouco tempo o local estava cheio de peregrinos. Mais recentemente outra intervenção da Santa Mãe no mesmo local. Conta a história e a tradição que no ano de 1944, já no fim da Segunda Grande Guerra, o Papa Pio XII sabendo da chegada dos aliados se dirigiu até o castelo e pediu que a Santa Mãe não permitisse que a cidade fosse bombardeada. Os nazistas, para a surpresa de todos, deixaram a cidade sem disparar um tiro e sem nenhum combate com os aliados. O Papa logo após agradecendo a Santa a proclama Salvadora de Roma. Comemoração: 04 de junho.
  20. N. Sra. do Divino Espírito Santo
  21. N. Sra. do Divino Pranto: Sua devoção teve início na Itália, no ano de 1924, quando N. Sra. apareceu a uma jovem irmã que estava doente e lhe pediu que rezasse muito. A Santa Mãe se foi e a jovem irmã passou a rezar diariamente, mas sua saúde estava cada vez mais debilitada. numa outra data, com a irmã jé desenganada, Nossa Senhora novamente aparece, mas agora carregando em seu colo o Menino Jesus. Este chorava pela falta de oração por parte do povo de Deus. A Santa Maria pede a irmã que divulgue a pPalavra de seu Filho Jesus para todos, mas a irmã, enferma, responde que não podeia fazê-lo naquelas condições, então a Mãe Eterna intercede por sua cura e logo em seguida estava curada. A irmã obedecendo às ordens da Santa Maria parte para o mundo divulgando a Palavra com a mor e fé. Esta viveu por mais de setenta anos.
  22. N. Sra. do Doce Beijo: A mesma que N. Sra. do Aconchego, N. Sra. da Proteção Materna, N. Sra. do Doce Carinho, N. Sra. da Ternura e Virgem de Glykofilusa.
  23. N. Sra. do Doce Carinho: A mesma que N. Sra. do Aconchego, N. Sra. da Proteção Materna, N. Sra. do Doce Carinho, N. Sra. do Doce Beijo e N. Sra. da Ternura.
  24. N. Sra. do Escorial
  25. N. Sra. do Feliz Parto
  26. N. Sra. Dógma da Imaculada
  27. N. Sra. do Golfo
  28. N. Sra. do Horto: Conta a história e a tradição que no século XV, em Gênova e região em torno, uma grande epidemia quando muitas pessoas morreram. Desesperada uma senhora, D. Maria Turchina, que era extremamente dedicada à Deus Pai, Deus Filho e à Sta. Virgem, pediu à Mãe que se sua família fosse protegida da epidemia construiria um altar. Aconteceu que sua família foi protegida e o altar foi construído e nele foi pintado a imagem de Nossa Senhora segurando o menino Jesus, ao lado de São Sebastião e São Roque. O local escolhido foi um muro em frente a uma praça. Este muro separava o horto da praça e era bem grande. O local passou a ser frequentado por peregrinos. Comemoração: ?.
  29. N. Sra. do Imaculado Coração: É uma devoção que surgiu a muito tempo, mais especificamente na época da chamada Igreja Primitiva. No entanto sua devoção se espalhou pelo trabalho de São João Eudes, no século XVII. Foi naquela época que escreveu e publicou o texto denominado "O Coração Admirável da Santíssima Mãe de Deus". Esta devoção é orientada no Sagrado Coração de Jesus e seu sofrimento durante a Paixão e Morte. Comemoração: 3º sábado após Pentecostes.
  30. N. Sra. do Japão: Trata-se de uma devoção relativamente nova, pois está associada ao fenômeno das lágrimas de Nossa Senhora de Akita, em 1973. Apesar de serem minoria os Cristãos Marianos estão crescendo em número. Comemoração: ?.
  31. N. Sra. do Leite
  32. N. Sra. do Lepanto
  33. N. Sra. do Líbano: Comemoração: 1º domingo de maio.
  34. N. Sra. do Livramento: Conta a história e a tradição que durante a dominação espanhola, Rodrigo Homem de Azevedo é preso e condenado por não concordar com a soberania do rei Felipe II. Sua primeira esposa pede a Virgem Mãe que interceda pela vida de seu marido. Foi quando Nossa Senhora apareceu para a mulher e a orientou a orar e que depois fosse construída uma capela. Na décima aparição o marido é libertado e ao retornar a sua moradia soube o que fizera sua esposa e da aparição. De imediato encomendou a confecção de uma uma imagem de Nossa Senhora e de acordo com as descrições fornecidas por sua esposa. A mulher veio a falecer e Rodrigo logo se casa novamente. Conta a história que esta nova esposa ao tomar conhecimento dos fatos convenceu Rodrigo a construir uma capela em homenagem a Santa. Ele o fez e em sua homenagem a batizou com o nome de N. Sra. do Livramento. Comemoração ?.
  35. N. Sra. do Loreto: Conta a história e a tradição que durante a tomada de Nazaré pelos mulçumanos, um grupo de anjos levaram para a propriedade de Loreta, que ficava numa colina, a casa onde morou a Família Sagrada. Era 10 de dezembro de 1294. No entanto existe uma outra versão, segundo a tradição, de que a casa foi trazida de Nazaré pelos cruzados sob o comando de De Angelis. A cidade recebeu o nome de Loreto e fica na Itália. Comemoração: 10 de dezembro.

Voltar para o conteúdo