Hist 01 - VivaJesusBr

A Trindade Santa e a Família Sagrada nos amam!
Estamos a 16 anos evangelizando! Obrigado! Janeiro mês do nosso aniversário!
Iniciado em: 15/01/2002
Neste endereço (domínio): 14/01/2006
Em 2018, novo visual!
Ir para o conteúdo
Santa Missa > História
 O Início - III
Por: Vivaldo Armelin Júnior - Jul./18
• Na História da Igreja nem sempre os sacerdotes usavam trajes especiais, essa situação era comum nos primórdios da Santa Igreja, quando os celebrantes usavam roupas do dia a dia.
• Com o passar do tempo houve uma preocupação maior com a vestimenta, não apenas com a beleza das mesmas, mas principalmente com a sua simbologia.
• As vestimentas obedecem ao calendário litúrgico e são confeccionadas em cores especiais conforme a época do ano.

Roma
Séc. I a.C.

  • Para entender a História da Igreja e consequentemente da Santa Missa é preciso entender um pouco do chamado Império Romano. Roma e suas forças militares foram conquistando o mundo de maneira avassaladora e praticamente sem resistência. Esse império dominou países fortes, como a Grécia, o Egito, a Espanha, Gália etc. Seu território iniciava em Portugal, passando norte da África até o Egito, todo sul da Europa, estendendo pela Síria e Palestina, inclusive as Ilhas Britânicas.

  • Roma possuía seus deuses, todos pagãos, mas com a conquista de outros povos esses deuses tomaram outras formas e nomes. Essas influências vieram da Grécia, do Egito, entre outros povos. Por essa razão, o povo Romano passou a adorar ídolos comuns aos povos conquistados.

  • O imperador Otávio Augusto foi o grande responsável pelo crescimento do império, inclusive na Palestina e Síria. Depois da invasão a Jerusalém, por volta do ano 70 a.C. e a sua completa destruição, foi Augusto que ordenou um controle mais rigoroso sobre aquela cidade, quando muitos foram mortos. Esses fatos ocorreram no final do século I a.C.

  • Na palestina as forças romanas tributavam a população de maneira extorsiva e desumana. Não hesitavam em condenar à morte qualquer cidadão que não atendesse ao império. A morte geralmente era a crucificação.

  • Para governar o povo israelita e da Palestina empossou Herodez, a fiscalização e cobrança de impostos eram feitas por israelitas que passavam para o lado do conquistador. Eram pessoas que se enriqueciam às custas do trabalho alheio e eram muito mal vistos pela população de toda a região da Palestina e Síria. Essas pessoas que atuavam a favor de Roma eram separadas da população e até era proibido visitar as suas casas, quanto mais participar de uma ceia a seu lado.

  • Herodes governava com muita violência e por isso era odiado. Ordenou a morte de todo aquele que por algum motivo colocasse, em sua opinião, seu poder em risco.

Roma 02
Séc. I a.C.

  • A influência era tão grande  que nas ruas e becos romanos havia alguém pregando em favor de um deus, como os citados no texto anterior, eram pregadores em favor dos deuses gregos, dos próprios romanos, mas com novos deuses, também dos deuses egípcios, fenícios, dos povos do norte da África e assim por diante.

  • O certo é que com o avanço das tropas romanas, maior era o número de deuses trazidos para a sede ou capital. Também aumentava o número de imigrantes, outra influência importante.

  • Muitos deuses e deusas exaltavam a sensualidade e o sexo, outros a guerra, a segurança, proteção etc. Um deus para cada situação. Os deuses vindos do Olimpo grego, em Roma ganharam outros nomes, o mesmo para os deuses e deusas do Egito, dos fenícios etc.


Um exemplo desse fenômeno:

1. Zeus, deus supremo para os gregos, em Roma se torna Júpiter;
2. Cronos (pai de Zeus) e Saturno em Roma;
3. Poseidon (deus grego dos mares/oceanos e irmão de Zeus) e em Roma Netuno;
4. Afrodite (deusa do amor e da beleza) e em Roma Vênus.


  • São muitos os deuses, mas esses exemplos podem demonstrar o que aconteceu naquela época. Essa influência tem grande avanço entre o século III a.C. e o século I a.C., outra surge, já no século I d.C., mas agora com um único Deus, chamado Jesus,  vinda da Palestina, onde fora condenado à morte na cruz.

O Início

  • Desde o princípio da vida humana ocorrem cultos religiosos, muitas vezes místicos e até envoltos em magia, dedicados inicialmente aos deuses, como: sol, lua, trovão, vulcão, mãe terra, aos mitológicos, entre tantos outros. Esses deuses eram adorados por povos da pré-história, povos da Mesopotâmia, do Oriente, Grécia, Egito, Roma e ainda hoje, pelos povos indígenas, os seguidores do misticismo, da feitiçaria etc.

  • A cada culto é comumente oferecido um "presente" ou "oferenda" a um deus, deusa ou a vários deuses(as). As oferendas variam do sacrifício humano, de um animal, doar joias,  alimentos etc.

  • Acontecia que essas oferendas eram muitas vezes baseado no holocausto de uma vida animal ou humana. A oferenda em holocausto de animais é descrita na Bíblia, Antigo Testamento e praticada pelo povo judeu, quando queimavam animais e aves para que Deus recebesse pela fumaça a oferenda. Com a vinda de Jesus tudo mudou, pois ele rejeitou essa forma de oferenda.

  • Por outro lado, desde o princípio, alguns grupos de seres humanos acreditavam em um único Deus, aquele que foi o criador de tudo, do universo e da vida, que vive no Céu, em seu próprio mundo. Esse grupo também fazial oferendas quando realizavam seus cultos e neles o faziam em holocausto, nesses eram oferecidos carneiros, ovelhas, gado, pombas etc.  

 O Início - II
 
• Não pense que todos os Sacramentos, normas e a própria organização da Igreja de Jesus ocorreu de um dia para outro ou logo após a morte de Jesus.
• Na realidade o testemunho dos Apóstolos e discípulos pelo mundo não era suficiente, pois corria-se o risco de se perder todo acontecimento que envolvia a vida de Jesus, por essa razão os chamados Evangelistas registraram escrevendo um livro. O problema que estes livros estavam soltos, ou seja, a Bíblia como conhecemos ainda não existia. Repetindo, nessa época o testemunho era a única maneira da palavra chegar ao povo.
• Os Apóstolos e os discípulos eram bem organizados e qualquer dúvida retornavam a Jerusalém para saná-la. Essa ação permitiu que a Santa Igreja de Jesus perpetuar os conhecimentos vindos de Jesus.
• Cada livro escrito pelos Evangelistas foi estudado e organizado em um único, a Bíblia como hoje conhecemos. Muitos livros ficaram de fora, os denominados apócrifos, que pela ação do Espírito Santo, não foram selecionados.
• Com os livros, todos manuscritos, pois estamos descrevendo o período compreendido pelos séculos I, II e III d.C.
Voltar para o conteúdo