Entender +01 - VivaJesusBr

A Trindade Santa e a Família Sagrada nos amam!
Estamos a 16 anos evangelizando! Obrigado! Janeiro mês do nosso aniversário!
Iniciado em: 15/01/2002
Neste endereço (domínio): 14/01/2006
Em 2018, novo visual!
Ir para o conteúdo
Santa Missa > Estudo da Liturgia
 

Textos anteriores:
(Em ordem crescente)

 


Entendendo a Liturgia

  • A Liturgia é um culto público dedicado a Deus na Santíssima Trindade, onde Pai, Filho e Espírito Santo são reverenciados num só Deus. Trata-se de uma relação interpessoal entre o fiel e Deus. Portanto a Liturgia é um momento em que o ser humano se entrega e dialoga com Deus. Também é o momento que Ele nos responde com seu amor!

  • Não discutiremos nesse texto os cultos judaicos, os mesmos praticados por José, Maria e Jesus, bem como seus discípulos. Nesse momento é importante entender o culto nos oferecido e ensinado por Jesus durante sua vida pública.

  • Por ser um culto público é de acesso a todos, a não ser aqueles que se realizam no interior de conventos, mosteiros, clausuras etc. Nunca durante uma Liturgia as portas da igreja poderão estar fechadas, não se pode impedir a entrada de ninguém, mesmo que seja uma pessoa de outra religião.

  • A Liturgia é o momento de união, amor e fé. Não se trata de um momento mágico ou de magia, a presença de Cristo na Consagração e na Eucaristia é uma verdade e não uma magia.

Entendendo a Liturgia II

  • A palavra "celebrar" significa "tornar célebre", portanto significa também "dar a conhecer", ou ainda, "exaltar".

  • Toda vez que ocorre uma celebração Litúrgica o Sacerdote está levando ao conhecimento do povo de Deus, a assembleia, as suas Palavras, mensagens, Leis, parábolas e informações, vindas das Sagradas Escrituras, da Tradição e do Magistério da Igreja.

  • Tornar conhecida a Palavra não é papel exclusivo dos religiosos e religiosas, mas também de todo leigo, mesmo durante a Liturgia. Uma vez que a Liturgia é o caminho para a salvação, um exercício de fé, amor e contemplação, consequentemente de humildade diante do Pai.

Entendendo a Liturgia III

  • Jesus Cristo é Deus, segunda Pessoa da Santíssima Trindade, é também o grande Pai, aquele que nos deixou o caminho, a palavra e o exemplo para nos salvar.

  • Na celebração da Litúrgica Ele é contemplado por toda a sua vida terrena, como Encarnado, o Deus vivo entre nós mortais. Nela contempla-se desde a Concepção até a Ressurreição.

  • Como Jesus Cristo é a segunda Pessoa da Santíssima Trindade, na Liturgia nenhuma das três Pessoas são esquecidas. Contempla-se o pai, o Filho e o Espírito Santo, quando os adoramos e demonstramos nossa fé e amor ao nosso único Deus. A lembrança nos trás o amor de Deus para com o ser humano, mesmo quando nos esquecemos Dele. O Pai deseja nos salvar e para isso nos deixou a Liturgia, uma grande demonstração do seu amor.

  • É na Liturgia que são revelados os mistérios e as verdades de Nosso Senhor.

Entendendo a Liturgia IV

• Não adianta estar presente ao ato litúrgico se não há envolvimento, dessa maneira ficará sem sentido todas as partes da Santa Missa. Jesus Cristo se faz presente e age para que sejamos salvos e para quem estamos orando.
• O Pai não quer salvar apenas os filhos que estão reunidos naquela assembleia, mas a todos, mesmo aqueles e aquelas que estão impossibilitados física e mentalmente. Também quer salvar todos aqueles e aquelas que estão em pecado, mesmo mortais e que atentem aos Sacramentos.
• Como já afirmamos, durante a Liturgia Deus está presente como Pai, como Filho e Espírito Santo, agindo sobre todos nós, confirmando a Nova Aliança e que nós assumamos como Cristãos a Igreja de Jesus. Trata-se de um compromisso de fé e que atende à Nova Aliança originária do amor de Deus, na Santíssima Trindade.

Entendendo a Liturgia V

• A Liturgia é dividida em várias partes e cada uma delas tem um significado e ainda obedece a uma sequência. Cada uma destas partes será estudado em outro momento.
• Participar de um ato litúrgico é acompanhar cada uma das partes da vida e Paixão de Jesus Cristo. Deve-se estar de coração aberto para recebê-lo para que seja possível ouvir a Deus e o Espírito Santo.
• Todo cristão católico tem o privilégio de participar de uma Missa, ter todos os Sacramentos e fazer parte da única Igreja de Jesus Cristo.
• Participar de um ato ou ação litúrgica é estar envolvido com Jesus, pois Ele está presente a cada Liturgia. É importante participar, pois estar de corpo presente e não participar é não nos leva a Ele ou a salvação.
• Quando estivermos feridos pela dor de ver um ente querido enfermo sofrer ou até falecer, participar da Liturgia é uma maneira de obtermos um grande conforto.
• Nossa fé em Deus, na Santíssima Trindade una e na Sagrada Família é a melhor maneira de entender a Liturgia.

Entendendo a Liturgia VI

• Deus na Liturgia faz uso de sinais pelos Sacramentos para nos disponibilizar a sua graça. Portanto os Sacramentos são sinais reais originários dos dons de Deus.
• O ser humano, pela vontade de Deus, Nosso Pai, faz parte e é uma peça importante para a construção de seu Reino. Deus nos ama e a Liturgia é uma demonstração de seu amor, pois foi seu Filho Encarnado quem nos ensinou.

Entendendo a Liturgia VII - 13/10/2013

• A Liturgia é parte da Aliança de Deus para conosco, pequenos mortais. Por essa razão, Deus nos deu o Encarnado, Nosso Senhor e seu Filho Jesus e vem desde o início da humanidade, ou seja, desde a criação.
• Deus nunca nos abandonou, sempre respeitou o livre arbítrio e a todo o momento procura por nossa amizade e amor. Ele deseja a nossa salvação e a vida eterna a seu lado.
• A Liturgia Católica é um rito voltado a Deus, na Santíssima Trindade e o único rito em que os fiéis podem contemplar e receber seu Corpo e Sangue Eucarístico.

Entendendo a Liturgia VIII - 01/11/2013


• Para entender a Liturgia é necessário entender os sinais, por exemplo, o ato do sacerdote lavar as mãos durante a Missa. Essa ação significa a purificação e não tem nenhuma ligação com a atitude de Pilatos quando lavou as mãos após o julgamento de Jesus.
• Não pode haver confusão, por essa razão é preciso estudar, pesquisar e se envolver com o ato litúrgico.
• Uma maneira eficaz é fazer a leitura da Bíblia e simultaneamente do Catecismo Católico. O Catecismo da Igreja Católica é um documento que contém explicações sobre as Escrituras e sobre a Igreja Católica. Não se trata de uma nova Bíblia como afirmam alguns evangélicos, mas de um documento completo para facilitar o entendimento das Escrituras.

Entendendo a Liturgia IX - 03/11/2013


• Participar da Liturgia é fazer e oferecer um sacrifício a Deus, um sacrifício diferente daquele oferecido pela fé judaica, a de um animal, ave etc., mas sim o sacrifício do amor, da compaixão, da caridade, da fé e da devoção.
• O sacrifício que nos aproximam da "Nova Aliança" proposta por Deus e revelada no sofrimento e sacrifício de seu Filho Jesus.
• Participar da Liturgia é fazer parte de um momento de diálogo, homenagem, agradecimento, renovação, de pedir perdão e agradecer, ou seja, colocar-se em sacrifício por amor a Deus Pai, Deus Filho e o Espírito Santo.
• Nós católicos precisamos conhecer e reconhecer a "Nova Aliança" e não apenas saber de sua existência. Cultuar a Deus é seguir em direção e estar de acordo com a "Aliança", as "Palavras" e as "Leis" de Deus.
• A Liturgia é o momento de ouvi-Lo.

Entendendo a Liturgia X - 12/11/2013


• Na antiguidade, época do Antigo Testamento, era hábito da população separar uma parte de suas posses para oferecer a Deus e selar a Aliança. Era uma resposta à Aliança oferecida por Deus. Essa ação e ou ato era uma forma de sacrifício, muito comum entre o povo de Deus, os Judeus, os Israelitas.
• Naquela época os judeus honravam sua fé proclamando-a com sacrifício material e espiritual. Além de conhecer, respeitavam as Sagradas Escrituras e as liam periodicamente, seja durante os cultos ou mesmo em casa durante o período de descanso.
• Você deve estar perguntando, naquela época todos sabiam ler? Quando o fiel não tinha o domínio da leitura era comum promoverem reuniões onde um leitor passava a informação aos demais. O mesmo acontecia no interior do templo, um lia e a população não leitora ouvia. Logo após a leitura havia uma grande explicação para que todos pudessem entender as Escrituras.
• Na época os textos Sagrados estavam registrados em pergaminho e eram guardados com muito respeito e cuidado. Seu manuseio era privilégio de alguns poucos.
• As pessoas tinham a Aliança como uma busca para uma vida melhor na terra e depois da morte. Não se tratava de uma simples troca, mas da Aliança entre Deus e seu povo.
• O sacrifício não vinha apenas das imolações e holocaustos, mas também da oferta de bens materiais e financeiros.

Entendendo a Liturgia XI - 01/12/2013


• Para entender a Liturgia é preciso entender o sacrifício e a imolação.
• Na época, tanto a anterior bem como a posterior a Jesus Cristo, os judeus praticavam a imolação como oferenda a Deus, quando abatiam animais e aves. Estes eram queimados e a fumaça que subia em direção do Céu era de agradável odor a Deus.
• Durante o abate o sangue derramado da vítima era aspergido ou queimado.
• A fumaça e seu odor, como descrito anteriormente, eram oferecidos a Deus.
• O sangue representava a vida das pessoas sob o pacto da Aliança.
• Para eles, judeus, a fumaça e o odor garantiria a atenção de Deus e as intenções eram respondidas por Deus como bênçãos, ação de graça e a purificação.
• Também era o momento em que se assumia um compromisso ou responsabilidade com Deus.

Entendendo a Liturgia XII - 19/03/2014


• Como todo ritual, existe uma organização, sequência e linguagem. Isso acontecia lá na Pré-história, com os denominados homens das cavernas.
• Naquela época era muito comum oferecer uma vida em imolação, ou seja, sacrificá-la em holocausto.
• No Antigo Testamento é descrito a imolação de gado, ovelhas, aves como pombos, não mais de seres humanos, mas sabemos que em outras culturas e suas religiões ainda sacrificavam seres humanos.
• Infelizmente esses rituais acontecem até os nossos dias, pois existem seitas voltadas ao maligno que imolam seres humanos.
• A Santa Missa também é um ritual e tem uma organização, sequência, ordem e momentos especiais.
• A participação direta do fiel foi garantida pelo Concílio Vaticano II.
• Voltando ao ato de imolar uma vida, Jesus condenou esse ato e até o modificou. Para isso, Ele ofereceu seu Sagrado Sangue e Carne.

Entendendo a Liturgia XIII - 07/02/2015


• A Santíssima Trindade não tem três corpos, nem são três Deuses, as três Pessoas são um único Deus, independentes, não encarnados, mas espirituais.
• O Corpo de Cristo é o Pão da vida, por consequência, é o Corpo da Sua Igreja. Trata-se do corpo pastoral, evangelizador, salvador, o Corpo vivo na Pessoa do Filho.
• Jesus está presente durante a Liturgia, não apenas espiritualmente, mas fisicamente na Sagrada Eucaristia.
• Portanto durante as Missas ou qualquer outro rito sacramental Sua participação é real.

Entendendo a Liturgia XIV - 24/02/2015

Por: Vivaldo Armelin Júnior


• Os Sacramentos são parte das ações de Jesus Cristo, de Deus e do Espírito Santo, portanto, toda a Liturgia é uma ação de Jesus e com sua presença.
• A partir dessa informação é fácil entender porque a Liturgia é o caminho para a salvação.
• A cada Liturgia ocorre um dos maiores mistérios, o da Páscoa de Jesus Cristo. Um momento sagrado e que deve ser levado a sério e de maneira respeitosa.
• Jesus, na Santa Ceia, nos ofereceu seu Corpo e Sangue, antes da Paixão. Com a paixão ocorreu a morte física e então veio o renascimento pela Ressurreição no terceiro dia. Com a Ressurreição veio a confirmação das próprias palavras do Salvador quando encarnado.
• A Liturgia exalta em nosso coração e alma a compaixão, caridade, amor, respeito ao semelhante, solidariedade, amizade... E quando estamos tristes, nervosos, desiludidos, sofrendo, durante a Liturgia Deus, na Santíssima Trindade, nos ampara mais fortemente.
• Jesus é eterno, não como ser humano e encarnado, mas como um ser espiritual, Filho Santíssimo de Deus, a segunda Pessoa da Santíssima Trindade e parte de um Deus único.

Entendendo a Liturgia XV - 18/05/2015

Por: Vivaldo Armelin Júnior


• Em nenhum momento estamos sós, pois Jesus Cristo está sempre entre nós. Ele nunca nos abandona.
• Sua presença é constante e está em todo lugar, porém, durante eventos religiosos, como a liturgia, sacramentos, procissões, confissões, entre outros, é mais intensa e viva, pois “Onde dois ou mais rezam estarei presente”, nos falou Jesus.
• Nesses momentos suas Palavras e Obras são enaltecidas, condição que nos eleva a Deus e nos conduz ao caminho da salvação.
• As promessas de Jesus Cristo são concretizadas a todo momento em cada um de nós. Ter a Santíssima Trindade ao nosso lado é verdadeiramente viver, por outro lado, todos aqueles e aquelas que vivem afastados, em pecado, tentando difamar a Igreja de Jesus Cristo, é verdadeiramente infeliz.
• Comprometido com suas palavras, obras e milagres, Jesus faz o possível para nos salvar, porém nós humanos, em muitas situações não correspondemos a seu chamado.
• Portanto, seguir Jesus é louvar a Deus, pois um está no outro e o Espírito Santo tem os dois, o Pai e o Filho.
• Na Liturgia Deus Pai, Deus Filho e o Espírito Santo estão presentes e nos ouvindo, portanto, para nós seres humanos, é um momento de meditação, conversão, respeito, de pedir, agradecer e principalmente louvar e adorar a Deus.

Entendendo a Liturgia XVI - 22/09/2015

Por: Vivaldo Armelin Júnior

• Com Pedro em Roma, todos que o ouviram se sensibilizaram. Da boca do Apóstolo, a pedra fundamental da Igreja de Jesus, saíram as palavras que Ele os ensinou.

• Com toda certeza Pedro Falou de José e Maria, da perseguição que Jesus sofreu, do papel de José, das curas, milagres e das expulsões do mal de possessos, que testemunhou.
• Levou a Palavra do Verbo ao povo romano, contou as Parábolas da mesma maneira que Jesus o fez.
• São esses os motivos que levaram a Igreja, alguns séculos depois, a considerar Pedro seu primeiro Papa.
• A Liturgia não tinha o formato que tem hoje, mas sim, ela estava sendo formada. Pedro levou a Roma a Eucaristia, dando graças a Deus, elevou o Pão aos Céus e o partia e o distribuía, depois deu graças a Deus e a todos deu o cálice com o Sangue de Jesus.
• Pedro morreu martirizado, em Roma, crucificado, a seu pedido, de cabeça para baixo. Seu corpo foi levado e sepultado nas catacumbas do morro que levava o nome de Vaticano, local onde permanece, comprovadamente, até os nossos dias. Sobre ele foi construída a Basílica que leva o seu nome.

Entendendo a Liturgia XVII - 12/07/2016

Por: Vivaldo Armelin Júnior
• Uma prova da presença de Jesus Cristo na Liturgia ocorreu no dia da Ressurreição quando aos Apóstolos baixou, sobre eles, o Espírito Santo.
• Mas, anteriormente, na Santa Ceia, Jesus declarou ao partir o pão: — “Este é o meu Corpo...”, e o mesmo fez com o vinho: “Este é meu Sangue...”
• Esses acontecimentos divinos os santificou e os conduziu para a construção da Igreja de Jesus.
• Partiram e espalharam pelo mundo os “sinais sacramentais”. Pedro, que foi a Roma, logo após Paulo, deu início à construção da sede da Santa Igreja. Essa construção ocorreu durante os cultos, Liturgia Primitiva, realizados nas catacumbas, em cavernas e túneis, em Roma.
• A santificação recebida pelos Apóstolos passou a ser transmitida a cada sucessor dos Apóstolos e principalmente de Pedro, o primeiro Papa da Igreja de Jesus Cristo. Todos esses acontecimentos fortaleceram a Igreja que já sobreviveu por mais de 2000 anos, mesmo enfrentando problemas externos e até internos.

• Caso Jesus não estivesse presente à Liturgia, por que Ele mandaria o Espírito Santo descer sobre seus Apóstolos?

Entendendo a Liturgia XVIII - 26/07/2017
Por: Vivaldo Armelin Júnior
• Para que ajoelhar durante o ato litúrgico? Nós, quando diante de um altar, geralmente nos ajoelhamos em respeito a nosso único Deus, a Santíssima Trindade, louvando-O como filhos inferiores que procuram socorro, por um diálogo, um pedido ou agradecimento.
• Durante a Liturgia significa que humildemente nos entregamos à Santíssima Trindade, mas também, em arrependimento, oramos. O Ato de ajoelhar-se é uma atitude penitencial.
• Esse é coletivo, portanto oramos por todos os presentes e não apenas por nós. Durante as orações pessoais, quando também nos colocamos de joelhos, abaixamos a cabeça, e iniciamos a nossa oração, traduz-se num momento único, individual e pessoal com Nosso Senhor quando o adoramos. Durante a Liturgia, em todos momentos estamos também adorando à Santíssima Trindade, portanto a Deus.
Entendendo a Liturgia XIX - 02/07/2017
Por: Vivaldo Armelin Júnior
 
• O ato de sentar-se durante a Liturgia é para descansar? Não, não e não, infelizmente, para muitos de nós é, por desinformação, por não estar envolvido com a Palavra, são muitos os motivos. Na realidade o sacerdote ao pedir que nos sentemos é para que possamos ouvir, meditar, adorar, com tranquilidade e atentos, como, nas Leituras, orar coletivamente, durante o Sermão etc.
• Nenhum momento da cerimônia é para destinado ao descanso, mas todos para, como já descrevemos acima, para adorar a Deus, refletir e meditar quanto a nossos erros e atitudes, relacionamentos e no que falamos. Isso é participar. Não se trata do envolvimento com os nossos problemas, mas de meditação, de diálogo com a Santíssima Trindade, mas seguindo a cerimônia litúrgica.
Entendendo a Liturgia XX - 24/09/2017
Por: Vivaldo Armelin Júnior

• Toda procissão que ocorre durante a Liturgia é uma peregrinação em busca da salvação e da vida eterna ao lado do Pai.
• Não importa o momento da Missa em que ela ocorre, seja na Procissão de Entrada, da entrega da Escritura pouco antes do Evangelho, do Ofertório, da Comunhão e a Final. Muitos fiéis, nesse momento sagrado aproveitam para mostrar sua roupa, joias, em resumo, bens materiais, no entanto, é um momento de preparação, meditação, diálogo com o Pai e de arrependimento, em termos popular, o momento de "lavar a alma", para receber a Santíssima Trindade.
• A fila formada para que cada fiel possa comungar, por exemplo, é uma procissão onde todos estão se preparando para a Comunhão, receber Jesus Cristo, um momento seu, mas ao lado de todos aqueles e aquelas que fazem parte de sua comunidade, uma família que se une por um único motivo, amar a Deus.
 • Você pode estar pensando o motivo de muitas igrejas cristãs não realizarem procissão. A resposta é bem simples, elas não seguem todos os Sacramentos. A procissão não é uma mera fila de seres humanos, como a fila para comprar um ingresso, a procissão é sagrada, portanto o caminho que nos conduz à salvação.
• Toda a assembleia deverá em conjunto responder a todos os sinais, por exemplo, no início da Missa ocorre a procissão de entrada e todos e todas deverão ficar em pé e voltados para a entrada da igreja ou onde é iniciada a procissão. Deve-se acompanhá-la com o olhar e voltando-se para o destino final da procissão.
• Na entrada o sacerdote, coroinhas, ministros, pessoas da comunidade, convidados especiais etc. Todos acompanham o sacerdote até o altar, depois rumam para seus lugares.
Voltar para o conteúdo